Cadê tu, Lora? [2]

Eu mal ando à pé no meu bairro, só quando tenho necessidade mesmo. A razão disso é que não tenho muitos compromissos para ter que sair sempre de casa e quando os tenho, vou de carro e uma segunda razão são os assaltos. Já fui assaltada duas vezes aqui.

Mas excepcionalmente hoje, tive que ir ao "centro comercial" do meu bairro, local onde se concentram agências bancárias, lojas e outros tipos de serviço.

Fui à pé e me deparei com cenas deploráveis. Meu bairro está simplesmente jogado às traças e baratas e sem-tetos. É colchão, rede, sujeira e mal cheiro (pra não dizer odor de bosta) em toda praça que passei.

Pior é ver os guardas municipais que são pagos para conservar o patrimônio da cidade, compactuar com esse tipo de situação. Sim, pois ficar de conversa no banco da praça enquanto os sem-teto a invade, pra mim, é compactuar.

E por fim, a cena-mor: um colchão no meio da praça com um travesti-mendigo oferecendo programas a quem quer que passaasse.

Juro que quando vi isso me tornei mais pessimista com relação ao espaço "público" do que já sou.

E cadê a Lora?

Comentários

Postagens mais visitadas